fbpx

Universidade do Minho desenvolve tecido para minimizar efeitos das lesões do menisco

Renato Povoas - Managing Partner Educação e Ensino, Saúde e Bem-Estar 2012-06-21

Fonte: Agência Lusa

As lesões do menisco poderão deixar de ser um problema para os atletas de alta competição, graças a uma investigação da Universidade do Minho (UMinho) que pretende desenvolver um tecido para substituir as partes afetadas, foi hoje anunciado.

Segundo fonte da UMinho, a investigação visa encontrar um tecido “que ultrapasse as dificuldades atuais e que, de forma mais eficaz, reponha o que o atleta perdeu, devolvendo-lhe estabilidade e a performance biomecânica perdidas”.

O tecido já foi testado, com sucesso, em pequenos animais e em células humanas, faltando agora avançar para animais de grande porte.

Esta será a última etapa antes de entrar na fase decisiva dos ensaios clínicos.

Segundo os investigadores do projeto, as lesões do menisco são a mais frequente causa de cirurgia em ortopedia e têm “importante” impacto socioeconómico.

A remoção da parte lesada tem sido o tratamento mais frequente, mas “traz consequências a longo prazo”, como o desgaste articular e artrose precoce.

“Atualmente, é adquirido que a remoção total do menisco provoca o aparecimento de osteoartrite num período de 7 a 10 anos”, garante o investigador Hélder Pereira.

Destaca ainda a síndrome de dor pós-operatória “que impede o atleta de voltar à competição”.

Além disso, garante que cerca de 30 por cento das reparações do menisco são “mal sucedidas” e que o transplante “normalmente nunca devolve o atleta à alta competição”.

As mais recentes tendências para o tratamento das lesões do menisco são as abordagens de engenharia de tecidos e medicina regenerativa.

Os meniscos são cartilagens presentes no joelho que têm a função de diminuir o impacto e melhorar o encaixe entre as faces articulares do fémur e da tíbia.