fbpx

Startups

As novidades tecnológicas que aí vêm

A tradição manda que a despedida do ano velho se faça acompanhar pelas 12 passas e pela taça de champanhe. São costumes que se repetem todos os anos, assim como a lista de resoluções ou de previsões. Sem bola de cristal, mas com algumas certezas, um artigo da Inc. socorre-se da experiência de quem sabe o que faz e o que diz, para revelar as tendências tecnológicas que estão a chegar. Salientamos algumas.

 

De um dos antigos responsáveis pela segurança interna nos EUA, Amit Yoran, atual CEO da Tenable, vem a certeza que os ataques cibernéticos vão chegar ao mundo real. “Já vimos os danos que um ataque de ransomware pode causar nos ativos digitais de uma empresa, mas o que acontece quando nos movemos para além do ciberespaço, no mundo real? De ataques à produção e equipamentos, estamos a falar de eventos extremamente caros e prejudiciais, que têm o poder de encerrar completamente as operações de negócios. Infelizmente, este pode ser o ano do cyber wake up call para o qual há anos a indústria tem alertado.”

 

Derek Choy, CIO da Rainforest, considera que o mundo está “a despertar para o facto de a segurança de dados ser um problema crítico, que precisa de ser incluído mais cedo no processo de desenvolvimento”. O que significa que, em 2019, as empresas vão implementar o que aprenderam sobre como evitar erros e como codificar falhas de segurança nos seus sistemas.

 

O sucesso dos clientes será a nova fonte de crescimento para as startups, garante Dale Chang, da Scale Venture Partners. “Sem uma base estável de clientes, as empresas não podem crescer tão rápido (…). Em 2019, veremos uma nova lente na economia do cliente, da rotatividade à retenção e crescimento”.

 

O espaço de trabalho vai evoluir, graças ao advento da “Inteligência Artificial ​​e do software de automação, que significa que os humanos se estão a afastar das tarefas repetitivas e estão cada vez mais focados em tarefas que só os seres humanos podem fazer: pensar criativamente e interagir com outros seres humanos. Para os espaços de trabalho, isso significa que as pessoas passam menos tempo sentadas nas suas mesas e mais numa diversidade de espaços”, refere Dror Poleg, consultor imobiliário e de estratégia da Breather.

 

Não há dúvidas, pelo menos para Jeremy Auger, cofundador e diretor de estratégia da D2L, que as soft skills se vão tornar um fator diferenciador. “As competências técnicas têm sido o santo graal da contratação nos anos anteriores, mas essas competências diminuem rapidamente”, afirma. “A capacidade de adaptação será a competência mais duradoura nos próximos anos, já que a capacidade de aprender e de se ajustar se torna mais importante do que qualquer outra.”

 

Fonte: Inc.

Governo quer mais ideias inovadoras para o turismo

Msousa Turismo e Lazer 2018-11-14

De carros elétricos para passeios turísticos com câmaras incluídas, para partilha da experiência nas redes sociais, às aplicações que disponibilizam um guia pessoal: são já muitas as ideias de negócios no setor do turismo, alimentadas pelos números que confirmam este como um setor essencial para a economia nacional.

É também por isso que o Governo quer que sejam ainda mais. Para isso, propõe reforçar a verba disponibilizada para o efeito, passando de um milhão de euros para 1,5 milhões atuais. O objetivo é simples: incentivar a criação de mais startups na área do turismo.

Na prática, a ideia é passar das 350 startups apoiadas por 15 programas específicos, o que aconteceu durante este ano, para a aceleração de 450 empresas, uma informação que foi dada à revista EXAME pela secretária de Estado do Turismo.

A mesma fonte revelou ainda que Portugal foi escolhido pela Organização Mundial do Turismo como parceiro institucional para um concurso de aceleração de startups a nível global, tendo o mesmo objetivo: fazer crescer o turismo. O que significa que o nosso país será o anfitrião das três startups vencedoras do concurso, para que possam desenvolver o seu negócio em Portugal.

200 startups portuguesas com ‘bilhete’ para a WebSummit

Msousa Empresas, Eventos, Startups 2018-10-10

Chama-se Road2WebSummit (R2WS) e trata-se de um programa da Startup Portugal e da Web Summit, com um objetivo: ajudar as startups portuguesas a chegar o mais longe possível naquele que é considerado o maior evento de tecnologia do mundo.

Não é novo. Desde 2016, ano da estreia da iniciativa em Portugal, que as startups lusas têm beneficiado deste projeto. Começaram, por ser, nesse ano, 66. Em 2017, o valor mais do que duplicou (150) e, este ano, volta a aumentar. São, ao todo, 200 as empresas nacionais que integram a lista de participantes num programa de treino que tem como missão prepará-las para brilhar no evento.

A lista de contemplados já é conhecida e estes vão beneficiar do acesso gratuito a um bootcamp intensivo de dois dias, organizado pela Startup Portugal em parceria com a AICEP e a Beta-i, que prepara os participantes para aquilo que os vai esperar na Web Summit, como navegar na app do evento, como abordar investidores, quais as metas a definir para a feira tecnológica, como argumentar, entre outras lições que podem fazer a diferença para a empresa.

A lista completa está aqui.

Orientações para um bom pitch (parte 2)

Prepare adequadamente cada pitch de acordo com esta checklist:

  1. Identifique o seu objetivo (vender um produto / angariar capital / …);
  1. Explique o que faz:

            – Foco no problema que resolve;

            – Sempre que necessário recorra a números /estatísticas;

            – Apresente de forma entusiasmante.

  1. Comunique os seus “Unique selling proposition”. O que faz do seu produto/serviço único;
  1. Envolva o interlocutor / audiência com questões;
  1. Pratique, pratique, pratique.

A que perguntas deve responder?

  1. O que fazemos? Qual a necessidade que satisfazemos?
  1. Quem é a equipa de gestão?

            – Não uma biografia completa.

  1. Produto / Serviço – Benefícios e Vantagens

            – Como é que o produto / serviço resolve o problema;

            – Qual o feedback dos potenciais clientes.

  1. Qual a dimensão do mercado? Está o mercado já preparado?

            – Identificar o segmento prioritário;

            – Qual o contexto atual que leva a acreditar que é o tempo certo para o projeto iniciar-se;

  1. Qual a abordagem comercial?
  1. Onde estamos agora? O que foi feito?

            – Clientes, parcerias, propriedade industrial, eventuais receitas,..

  1. Como seremos grandes no futuro? Qual a visão?
  1. Qual a concorrência?
  1. Quais as projeções financeiras?
  1. Qual o montante do financiamento procurado?

Tenha consciência que os investidores esperam que o empreendedor…

  • Traga uma boa ideia;
  • Ofereça um plano de negócios consistente;
  • Apresente claramente o seu projeto, de forma fundamentada e concisa;
  • Demonstre fascínio pelo sucesso empresarial do seu projeto e paixão pela sua ideia;
  • Revele-se humilde, procurando parcerias nas áreas em que não é competente;
  • Mantenha os pés bem assentes no chão;
  • Esteja disposto a prestar contas de cada passo dado pela empresa;
  • Valorize a aprendizagem contínua nas áreas de estratégia e de gestão.

Tem uma ideia? O FabLab ajuda a torná-la realidade

Msousa Empresas, Startups 2018-06-06

O FabLab

Podem ser mais novos ou mais velhos; podem ser empresas ou instituições sem fins lucrativos, profissionais ou apenas curiosos.

O que é preciso é que sejam residentes no concelho de Sintra e, claro, que tenham uma ideia. É ajudar a dar-lhe corpo que pretende a autarquia local, que para isso decidiu criar o FabLab Sintra, “um laboratório de fabricação digital e de prototipagem” que visa apoiar “a criatividade e o desenvolvimento de novos projetos colaborativos através do acesso a equipamentos e conhecimento”. Aqui, procura-se o empreendedorismo e oferecem-se ferramentas para o tornar realidade.

Read More

Startups portuguesas marcam presença no Cleantech Camp

Renato Povoas - Managing Partner Ambiente 2017-04-20

Há 4 projetos portugueses entre as 14 propostas selecionadas para participar no programa de aceleração Cleantech Camp, evento a decorrer em Lisboa e Barcelona. Focado nas ideias de negócio no campo das energias limpas, a Cleantech Camp apresentará 4 projetos com ADN português – Picma, Rocket Farm, Trigger Systems e a Fuelsave.io.

Read More

Startup Nano – O primeiro acelerador de startups de nanotecnologia em Portugal

Renato Povoas - Managing Partner Telecomunicações e Tecnologia 2017-02-15

Startup Nano, é o nome deste primeiro acelerador de startups de nanotecnologia, foi pensado em conjunto pelo Laboratório Ibérico de Nanotecnologia (INL) e o Centro de Nanotecnologia e Materiais Técnicos, Funcionais e Inteligentes (CeNTI), com o apoio da Startup Braga e a Universidade do Minho. Arrancou com quatro startups – Easy Biopsy, Go Clean, Best Health and Graphenest.

Read More