fbpx

Europa

Instituto Europeu de Inovação e Tecnologia tem 1 milhão de euros para apoiar as startups mais inovadoras da Europa

É uma startup ou scaleup que desenvolve soluções criativas para tornar a Europa mais sustentável e inclusiva e para melhorar a qualidade de vida dos cidadãos? Então saiba que o Instituto Europeu de Inovação e Tecnologia (EIT) e cinco das suas Comunidades de Conhecimento e Inovação lançaram a EIT Community Booster, uma iniciativa conjunta para apoiar empreendimentos inovadores e equipas que contribuam para a transformação do Novo Bauhaus Europeu.

Read More

As 10 startups europeias que prometem transformar o mundo (e uma delas é portuguesa)

Improve Startups 2019-03-20

A Internet of Things, ou Internet das Coisas, em português (IoT) veio mesmo para ficar. E são cada vez mais as empresas apostadas em fazer a ligação entre o mundo real e o mundo digital, transformando não só casas, mas indústrias inteiras. A aposta é, aqui, grande. E é sobre ela que escreve a EU-Startups, que identifica as 10 startups europeias que prometem transformar o mundo, uma das quais portuguesa.

 

Chama-se Infraspeak e esta startup nacional está a desenvolver soluções de gestão de instalações, ajudando empresas com grandes infraestruturas, como hospitais, bancos ou hotéis, a simplificar a tecnologia, aumentar a produtividade e reduzir a burocracia, os riscos e os custos.

 

Mas da lista de startups que prometem mudar o mundo fazem parte várias outras, como a German Autolabs, uma empresa com sede em Berlim, que está a desenvolver inteligência artificial para para o setor automóvel, tendo criado Chris, o primeiro copiloto digital do mundo.

 

A Ambrosus está a construir uma rede de IoT alimentada por blockchain para o setor da alimentação, enquanto a Moona está a revolucionar o sono com o primeiro travesseiro conectado, capaz de regular a temperatura do corpo durante a noite.

 

A Noomi, empresa que criou uma pulseira inteligente, sensível ao movimento, ergonomicamente projetada e alimentada por Inteligência Artificial para cuidado aos idosos, está também em destaque, assim como a Vilisto, que desenvolve soluções de poupança de energia, à quais se juntam várias outras.

 

Fonte: EU-Startup

B.New York – Incubadora abre portas em Nova Iorque de olhos postos nas startups europeias

Renato Povoas - Managing Partner Startups 2017-08-11

Chama-se B.New York e é uma incubadora de olhos postos em startups e empresas de tecnologia. Até aqui, nada de novo em relação a tantas outras incubadoras que por aí existem. Mas esta é diferente: primeiro, porque se encontra localizada em Brooklyn, na cidade norte-americana de Nova Iorque; e depois, porque oferece uma oportunidade para as empresas europeias, uma vez que é para startups e scale-ups internacionais que abre agora as suas portas, adicionando aos serviços normalmente disponibilizados vários outros (legais, de contabilidade e atribuição de vistos).

Read More

Atomico – O maior fundo, a nível europeu, está de olho em Portugal

Renato Povoas - Managing Partner Startups 2017-02-17

A empresa de investimento, Atomico tem novo fundo e, veio avisar, que está de olho em Portugal, a equipa tem estado atenta ao ecossistema empreendedor português. O quarto fundo da Atomico é composto por 765 milhões de dólares (724,50 milhões de euros) e é o maior a nível europeu. Está destinado a empresas tecnológicas em Série A (fase de pós lançamento) ou mais avançadas, que tenham em vista a escala e que pretendam tornar-se líderes globais nos setores em que atuam.

Não é a primeira vez que uma empresa portuguesa recebe um investimento deste género, a Uniplaces, em 2015, angariou um investimento de 22 milhões, na maior ronda de Série A.

Saiba mais em: Dinheiro Vivo

 

Viagens mistério chegam a Portugal

Renato Povoas - Managing Partner Startups 2016-12-13

Neste último trimestre do ano chegaram a Portugal duas startups que promovem escapadinhas de fim-de-semana misteriosas, isto é, o destino só é revelado aos clientes 48 ou 24 horas antes da partida dos aeroportos de Lisboa e Porto.

Read More

Lisboa no ranking das “Hottest Startup Cities”

Renato Povoas - Managing Partner Startups 2016-09-02

Pela primeira vez, Lisboa foi incluída pela prestigiada revista de tecnologia norte-americana Wired no ranking anual “The Hottest Startup Cities” da Europa, entre 100 cidades europeias como Helsínquia, Londres, Berlim, Paris, Amesterdão, Estocolmo, Telavive, Barcelona e Istambul.

Quais as startups destacadas pela Wired?

Uniplaces, Codacy, Talkdesk, Chick by Choice, Unbabel, CrowdProcess, Prodsmart, Hole19, Tradiio e Aptoide.

A vinda da Web Summit para Lisboa, bem como o facto de várias publicações internacionais terem comparado a capital portuguesa a nomes de referência no setor como São Francisco ou Berlim também ajudaram a contribuir para o resultado final.

yard-of-the-palace-335041_1280

Fonte: Observador

Cinco nomeações para melhores startups europeias!

Renato Povoas - Managing Partner Startups 2016-05-31

europas_logo1.jpg

Os “The Europas”, prémios que distinguem as melhores startups tecnológicas europeias, deste ano contam com a incubadora Beta-i, as startups Chic by Choice, Farfetch e Unbabel e o co-fundador da Seedrs, Carlos Silva, como representantes de Portugal.

A Beta-i está na short list para as melhores incubadoras, Chic by Choice está nomeada para a melhor startup na área do vestuário e ainda podemos encontrar nesta categoria a Farfetch, a única startup unicórnio português, a Unbabel está incluída nas nomeações para a categoria de startup com maior crescimento do ano, Carlos Silva encontra-se também nos nomeados portugueses para as melhores startups europeias, um dos fundadores da plataforma de equity crowdfunding Seedrs pode receber, em conjunto com Jeff Lynn, o prémio para melhores fundadores de startups.

A 16 de junho será a entrega dos prémios, após a conferência “The Europas”, as votações começaram esta segunda e vão estar abertas até quinta-feira, 2 de junho, nesta página.

Fonte: Dinheiro Vivo

Calças de ganga tecnológicas? Uma evolução do têxtil?

Renato Povoas - Managing Partner Têxtil 2015-12-01

Não vamos começar a vestir tecnologia, mas sim adaptar a tecnologia ao que vestimos. Confuso? Miguel Carvalho, professor de Engenharia Têxtil na Universidade do Minho, pensou em criar funcionalidade, e foi assim que surgiu a ideia de adaptar a tecnologia ao vestuário e posteriormente a um produto, concebido no MIT (Massachusetts Institute of Technology).

Desde 25 de novembro que se pode contribuir para esta reinvenção das calças de ganga no Kickstarter, a marca FYT Jeans tenciona conquistar , no primeiro mês, um mínimo de 30 mil euros para financiar o arranque da produção destinada à Europa e aos EUA.

O projeto FYT Jeans surge a partir do estudo do comportamento das pessoas. Nos dias de hoje seria de estranhar que fossem as pessoas a adaptar-se ao que vestem e não o inverso.

Em 2011, quando Miguel Carvalho se tornou professor convidado no MIT, nos EUA, conheceu Elazer Edelman, médico cardiologista, diretor de Centro de Engenharia Biomédica do MIT e diretor do Centro de Ciências da Saúde e Tecnologia da Harvard Medical School. Juntos, passaram os anos seguintes nos laboratórios a estudar engenharia têxtil e anatomia. Usaram scanners 3D, imagens termográficas e sensores termodinâmicos para medir tensão, pressão e temperatura com diferentes posições do corpo. A partir desta informação, desenvolveram umas calças de ganga que reduzem até 90% a compressão e minimizam a concentração localizada de temperatura e pressão. Mais informações no vídeo aqui.

Após vários protótipos, na busca da otimização de materiais e do design, foram já registadas patentes para o design final dos FYT Jeans, com modelos para homem e mulher, na Europa e nos EUA.

Apesar da startup estar sediada em Cambridge, a produção será feita em Portugal.

Fonte: pplware SAPO