fbpx

Empresas

2015, o melhor ano para o empreendedorismo

Renato Povoas - Managing Partner Startups 2016-08-30

“Depois de uma queda entre 2008 e 2012 (excepção feita ao ano de 2011, em que a possibilidade de constituição de empresas com capital social mínimo de um euro por sócio impulsionou os nascimentos), iniciou-se, em 2013, um ciclo de expansão que culminou, em 2015, no melhor ano em número de constituições desde 2007”, lê-se no estudo: “O Empreendedorismo em Portugal” da Informa D&B.

Segundo a Informa D&B, em 2015, nasceram 37.924 empresas e outras organizações. Mas tendo em consideração apenas as empresas, o número é de 35.555 nascimentos.

Saiba mais aqui.

Fonte: Económico

Encontro de micro e pequenos investidores portugueses emigrados

Renato Povoas - Managing Partner Startups 2016-07-29

Em dezembro, Sintra poderá ser o palco de um encontro de micro e pequenos investidores portugueses emigrados em várias regiões do mundo.

José Luís Carneiro, secretário de Estado das Comunidades, depois de se ter identificado mais de 5.000 pequenos empreendedores que são emigrantes portugueses, explicou que este encontro resulta do trabalho que está a ser realizado há dois meses no Ministério dos Negócios Estrangeiros e que permitirá o contacto dos empresários com os municípios portugueses.

Saiba mais aqui: Observador

Seedrs chega à região do Benelux

Renato Povoas - Managing Partner Startups, Telecomunicações e Tecnologia 2016-07-22

A Seedrs, a maior plataforma europeia de equity crowdfunding, vai expandir a sua atividade na região do Benelux (Bélgica, Holanda e Luxemburgo), abrindo um escritório em Amesterdão.

A empresa passa então a estar presente na capital holandesa com o objetivo de criar e fomentar relações entre as startups da região do Benelux e o ecossistema de investimentos em estágios iniciais, e ainda de captar novos negócios que possam recorrer ao financiamento na plataforma.

A abertura de mais escritórios no continente europeu está nas previsões futuras da empresa.

Saiba mais aqui.

 

Smart Cities & Startups

Renato Povoas - Managing Partner Startups 2016-07-15

A conhecida revista britânica Monocle, na sua edição de julho/agosto, publicou o famoso top das 25 melhores cidades para viver, este ano Tóquio encontra-se no pódio enquanto Lisboa em 16º, um lugar que tem vindo a subir gradualmente.

Como é feita a seleção?

Os critérios utilizados pela revista são o que mais sobressai, como o número de ciclovias, as infraestruturas de comunicação disponíveis ou as condições dadas à classe criativa e empreendedora.

Como reconhecer uma smart city?

Segundo Miguel Castro Neto, professor e subdiretor da Information Management School da Universidade Nova de Lisboa (NOVA IMS), onde coordena a pós-graduação em Smart Cities, “é um aglomerado urbano que, tirando partido dos mais recentes desenvolvimentos tecnológicos disponíveis, procura responder às necessidades dos seus habitantes de forma sustentável e eficaz”. Nestas cidades, inovação, tecnologia e cultura participativa são fundamentais.

 “É uma cidade das pessoas e para as pessoas”, explica Miguel de Castro Neto, parafraseando Jane Jacobs, autora da obra “Morte e Vida de Grandes Cidades”.

É neste campo que as startups entram, onde representam uma alavanca para a construção e desenvolvimento destas cidades inteligentes, com a sua criatividade e pensamento “out of the box”.

Conheça alguns exemplos aqui.

Startup Voucher – Empreendedorismo com incentivos fiscais

Renato Povoas - Managing Partner Startups 2016-06-07

e565ce_9348a1f6264144729c0f346aba2e54dd-mv2.jpg

De acordo com a Estratégia Nacional para o Empreendedorismo, quem quiser investir em startups a partir de agora vai poder declarar os montantes quando preencher a declaração de IRS. O Programa Semente vai permitir que investidores, que apoiem projetos entre 2.000 e 100 mil euros, tenham benefícios fiscais num valor máximo de 100 mil euros. Esta é uma das 15 iniciativas do Startup Portugal que o Governo lançou esta segunda-feira.

As candidaturas para o Startup Voucher (verba mensal para jovens universitários ou licenciados) abrem em setembro de 2016, este conta com 10 milhões de euros para distribuir em bolsas mensais de 690 euros durante um ano. Outros 10 milhões estão reservados para o Vale Incubação, tendo como objetivo apoiar empresas a desenvolver as suas ideias de negócio num programa de aceleração ou numa das incubadoras que façam parte da rede nacional.

Para além disto, existem ainda novidades nas Calls da Portugal Ventures (sociedade de capital de risco pública), a abertura de candidaturas para mais investimentos setoriais e uma cal destinada a startups.

No que toca à internacionalização das startups, o Governo quer assegurar a participação de projetos portugueses nos maiores eventos tecnológicos do mundo, nas maiores feiras nacionais setoriais e quer que estas acompanhem membros do Governo em visitas oficiais ao estrangeiro.

Fonte: Observador

Sabe qual é o maior obstáculo à inovação?

Renato Povoas - Managing Partner Startups 2016-05-24

Untitled design(1).png

A 1.ª edição do Barómetro Inovação Empresarial, levado a cabo pela Improve e pela Spirituc – Investigação Aplicada, conclui que a pouca sensibilidade nas empresas portuguesas, ao nível de top management, é vista como o principal obstáculo à inovação. Este estudo, realizado junto de altos quadros de empresas a atuar em Portugal em áreas como a alimentar, indústria farmacêutica ou consultoria, conclui ainda que a falta de recursos financeiros e de recursos humanos qualificados são obstáculos à inovação no nosso país.

No âmbito das contrariedades à inovação, sabia que cerca de 70 % das empresas portuguesas considera que não existem incentivos ou recompensas para premiar a inovação? Pouca sensibilidade dos gestores de topo (80,6%), falta de recursos financeiros e inexistência de recursos humanos qualificados (56.5%). São estes os principais obstáculos à inovação nas empresas que operam em Portugal

“Com este estudo, percebemos que as empresas portuguesas valorizam a inovação e pretendem ter informação sobre ideias e projetos inovadores mas ainda assim não apostam na inovação devido a questões como a mentalidade do top management, a falta de recursos financeiros a pouca preparação dos seus recursos humanos. Ou seja as empresas portuguesas têm um destino, mas não sabem como lá chegar” afirma Renato Póvoas, diretor-geral da Improve.

Saiba mais aqui.

Startups portuguesas finalistas em Silicon Valley

Renato Povoas - Managing Partner Startups 2016-05-20

Magikbee e Performetric, estão entre os finalistas da World Cup Tech Challenge, competição mundial que decorre a 1 de junho em Silicon Valley. As startups portuguesas estão presentes no evento com projetos que foram considerados pela organização sem fins lucrativos, Silicon Valley Forum, pertencentes à próxima geração de empresas tecnológicas emergentes.

As duas startups, integradas na Startup Braga, além dos seus projetos estarem na competição vão contar com investidores de capital de risco da cidade, administradores de várias empresas e órgãos de comunicação social.

Magikbee, desenvolveu uma tecnologia interativa que combina brinquedos tradicionais com as novas tecnologias, brinquedos de madeira que interagem com o iPad sem precisar de contacto físico.

Performetric, desenvolveu um sistema de monitorização de fadiga mental, o objetivo principal é melhorar a qualidade de vida e o desempenho individual dos seus utilizadores. Em contexto empresarial, pretende melhorar a eficácia dos colaboradores.

WOrldCup.jpg

Fonte: Observador

Porto: cidade do empreendedorismo?

Renato Povoas - Managing Partner Startups 2016-05-10

Sabia que a região do Porto continua a representar a maior fatia do crescimento de startups (36% do total) ? Isto justifica-se com tradição burguesa da cidade e pelo espírito empreendedor do Norte de Portugal, onde estão instalados os grandes setores exportadores do país.

O empreendedorismo está a crescer bastante no nosso país, no entanto ainda se encontra bastante localizado em certos pólos e precisa de alguns incentivos.

Será fundamental contagiar o país com o efeito Web Summit? Saiba mais neste artigo de opinião do Económico.

write-593333_1920.jpg

Empresa Portuguesa no top 50 das empresas mais inovadoras de 2016!

Renato Povoas - Managing Partner Startups 2016-02-16

Farfetch encontra-se no 23º lugar deste top, por colocar as melhores lojas de moda do mundo num cenário global.

É uma empresa global de e-commerce, que liga compradores a mais de 300 lojas de luxo através de uma única loja online de modo a criar uma experiência logística perfeita tanto para compradores como para vendedores. A Farfetch oferece a qualquer loja a hipótese de crescer online.

Estando sempre atenta ao crescimento das lojas de luxo, a Farfetch converteu, para o online, lojas em 35 países que enviam os seus produtos para clientes em 190 países, criando uma receita de 500 milhões de dólares em 2015. A empresa tem escritórios em 10 países e, ainda, oferece aos clientes um serviço disponível em 10 idiomas – ajustando os saldos à cultura local de cada país.

Saiba mais sobre o Top 50 em Fast Company.

Farfetch_website7.png