fbpx

Startup de Coimbra vence um dos “Óscares do Espaço”

Sabia que já é possível monitorizar o estado das infraestruturas rodoviárias, identificando, com antecedência, ocorrências potencialmente perigosas e permitindo uma avaliação mais rápida e eficiente da integridade das mesmas após desastres naturais? 

A responsável por esta ideia inovadora e sustentável é a startup portuguesa Theia, que desenvolve soluções de monitorização para o património cultural, histórico e arqueológico com recurso a dados de satélite. Foi com o projeto ERMES (Extensive Road Monitoring Early-Warning System) que a startup venceu a categoria “Digital Transport Challenge” dos prémios Copernicus Masters, considerados os Óscares do Espaço. 

Mas como é que funciona este projeto? É através dos dados de satélite de observação da Terra que o ERMES consegue monitorizar a estabilidade de taludes (plano de terreno inclinado que limita um aterro) e o abatimento do solo de autoestradas e rodovias, identificando situações de risco. Desta forma, a sua aplicação poderá minimizar os desafios logísticos, assim como os custos do levantamento de informação no terreno, o que contribuirá para uma melhor atividade de monitorização.

Além disso, é também importante referir que o ERMES permite fazer atualizações semanais ao estado das infraestruturas e identificar zonas críticas, nas quais pode ser necessário implementar medidas de prevenção. 

O projeto está a ser apoiado pela iniciativa “Small Business Applications”, da Agência Espacial Europeia (ESA). Fundada em 2017, a startup esteve durante dois anos na ESA BIC Portugal, uma incubadora portuguesa da ESA que apoia empresas que transferem tecnologia espacial para setores com aplicação na Terra. Atualmente, a Theia encontra-se sediada no Instituto Pedro Nunes, em Coimbra.

Os prémios Copernicus Masters, que são instituídos pela Comissão Europeia e pela ESA, visam premiar produtos e serviços inovadores que utilizem dados de observação da Terra (do satélite europeu Copernicus) em áreas como a saúde, energias renováveis, proteção ambiental, agricultura inteligente, gestão de catástrofes e transporte digital.