fbpx

universidade do minho

HydrUStent – Como reduzir os índices de infeção

Renato Povoas - Managing Partner Saúde e Bem-Estar, Telecomunicações e Tecnologia 2018-03-19

É de uma empresa portuguesa que vem a ideia de melhorar a vida dos doentes com pedras no rins e dos médicos que os tratam, com o HydrUStent, um dispositivo médico biodegradável destinado a reduzir os índices de infeção e acelerar os tratamentos associados a problemas urológicos.

Problemas que obrigam à colocação de um stent e que exigem uma segunda intervenção para o retirar.

Read More

O primeiro acelerador de startups de nanotecnologia em Portugal

Renato Povoas - Managing Partner Telecomunicações e Tecnologia 2017-02-15

Startup Nano, é o nome deste primeiro acelerador de startups de nanotecnologia, foi pensado em conjunto pelo Laboratório Ibérico de Nanotecnologia (INL) e o Centro de Nanotecnologia e Materiais Técnicos, Funcionais e Inteligentes (CeNTI), com o apoio da Startup Braga e a Universidade do Minho. Arrancou com quatro startups – Easy Biopsy, Go Clean, Best Health and Graphenest.

Read More

Calças de ganga tecnológicas? Uma evolução do têxtil?

Renato Povoas - Managing Partner Têxtil 2015-12-01

Não vamos começar a vestir tecnologia, mas sim adaptar a tecnologia ao que vestimos. Confuso? Miguel Carvalho, professor de Engenharia Têxtil na Universidade do Minho, pensou em criar funcionalidade, e foi assim que surgiu a ideia de adaptar a tecnologia ao vestuário e posteriormente a um produto, concebido no MIT (Massachusetts Institute of Technology).

Desde 25 de novembro que se pode contribuir para esta reinvenção das calças de ganga no Kickstarter, a marca FYT Jeans tenciona conquistar , no primeiro mês, um mínimo de 30 mil euros para financiar o arranque da produção destinada à Europa e aos EUA.

O projeto FYT Jeans surge a partir do estudo do comportamento das pessoas. Nos dias de hoje seria de estranhar que fossem as pessoas a adaptar-se ao que vestem e não o inverso.

Em 2011, quando Miguel Carvalho se tornou professor convidado no MIT, nos EUA, conheceu Elazer Edelman, médico cardiologista, diretor de Centro de Engenharia Biomédica do MIT e diretor do Centro de Ciências da Saúde e Tecnologia da Harvard Medical School. Juntos, passaram os anos seguintes nos laboratórios a estudar engenharia têxtil e anatomia. Usaram scanners 3D, imagens termográficas e sensores termodinâmicos para medir tensão, pressão e temperatura com diferentes posições do corpo. A partir desta informação, desenvolveram umas calças de ganga que reduzem até 90% a compressão e minimizam a concentração localizada de temperatura e pressão. Mais informações no vídeo aqui.

Após vários protótipos, na busca da otimização de materiais e do design, foram já registadas patentes para o design final dos FYT Jeans, com modelos para homem e mulher, na Europa e nos EUA.

Apesar da startup estar sediada em Cambridge, a produção será feita em Portugal.

Fonte: pplware SAPO

Investigador da UMinho que estuda resistência de próteses distinguido nos EUA

Renato Povoas - Managing Partner Saúde e Bem-Estar 2015-07-07

Um investigador da Universidade do Minho (UMinho) foi distinguido com o prémio “The Graduate Student Awards” pela investigação que visa “potenciar a resistência” dos implantes ortopédicos à corrosão e ao desgaste, através da utilização de um “revestimento multifuncional inovador”.
A academia minhota explica que o trabalho de Sebastian Calderon, intitulado “Resposta Eletroquímica de revestimentos de ZrCN-Ag-a (C,N) em fluidos sinoviai” pretende aplicar um biomaterial a um “conjunto variado de próteses ortopédicas”, como do joelho e da anca, “reduzindo a probabilidade de infeções e a rejeição destes implantes por parte do organismo humano”.
O investigador, a trabalhar do Centro de Física da UMinho, foi distinguido na 42ª Conferência Internacional em Revestimentos Metalúrgicos e Filmes Finos, em San Diego, nos EUA, adianta a UMinho.Universidade do Minho

EarBox – Peças de roupa com colunas de som

Renato Povoas - Managing Partner Educação e Ensino, Têxtil 2012-08-30

Fonte: Correio do Minho

João Oliveira e Pedro Filipe são dois jovens bracarenses empreendedores que se lançaram na aventura de criar um produto e uma marca completamente inovadores. EarBox é o nome pelo qual são conhecidas as peças de roupa com colunas de som, um produto produzido em Braga. O sucesso já é tanto, que os empresários estão a preparar uma parca para lançar no mercado.

Read More

Intestino grosso à distância de um comprimido

Renato Povoas - Managing Partner Educação e Ensino, Saúde e Bem-Estar 2012-06-27

Fonte: Agência Lusa

Um inovador “comprimido” que permite ao médico ver tudo o que se passa no intestino grosso ou no cólon do paciente está a ser “trabalhado” em Guimarães, numa parceria entre o hospital e a universidade. Segundo os promotores, aquela cápsula endoscópica vai em breve ser testada em animais, para posteriormente poder ser aplicada ao homem.

 

A investigação envolve a Universidade do Minho e o Centro Hospitalar do Alto Ave. Trata-se de uma espécie de comprimido, que incorpora uma bateria e um sistema de captura de imagens e que é telecomandável.

 

O paciente engole o comprimido e o médico pode conduzi-lo onde for necessário, para fazer o seu diagnóstico, ficando os dados gravados num sistema informático. No final do exame, o comprimido é expelido naturalmente pelo organismo.

 

Este sistema já é usado para exames ao intestino delgado, mas para o intestino grosso ou cólon ainda se recorre ao sistema com fios, muitas vezes “temido” e até “rejeitado” por muitos pacientes.

Universidade do Minho desenvolve tecido para minimizar efeitos das lesões do menisco

Renato Povoas - Managing Partner Educação e Ensino, Saúde e Bem-Estar 2012-06-21

Fonte: Agência Lusa

As lesões do menisco poderão deixar de ser um problema para os atletas de alta competição, graças a uma investigação da Universidade do Minho (UMinho) que pretende desenvolver um tecido para substituir as partes afetadas, foi hoje anunciado.

Segundo fonte da UMinho, a investigação visa encontrar um tecido “que ultrapasse as dificuldades atuais e que, de forma mais eficaz, reponha o que o atleta perdeu, devolvendo-lhe estabilidade e a performance biomecânica perdidas”.

O tecido já foi testado, com sucesso, em pequenos animais e em células humanas, faltando agora avançar para animais de grande porte.

Esta será a última etapa antes de entrar na fase decisiva dos ensaios clínicos.

Segundo os investigadores do projeto, as lesões do menisco são a mais frequente causa de cirurgia em ortopedia e têm “importante” impacto socioeconómico.

A remoção da parte lesada tem sido o tratamento mais frequente, mas “traz consequências a longo prazo”, como o desgaste articular e artrose precoce.

“Atualmente, é adquirido que a remoção total do menisco provoca o aparecimento de osteoartrite num período de 7 a 10 anos”, garante o investigador Hélder Pereira.

Destaca ainda a síndrome de dor pós-operatória “que impede o atleta de voltar à competição”.

Além disso, garante que cerca de 30 por cento das reparações do menisco são “mal sucedidas” e que o transplante “normalmente nunca devolve o atleta à alta competição”.

As mais recentes tendências para o tratamento das lesões do menisco são as abordagens de engenharia de tecidos e medicina regenerativa.

Os meniscos são cartilagens presentes no joelho que têm a função de diminuir o impacto e melhorar o encaixe entre as faces articulares do fémur e da tíbia.

Universidade do Minho cria almofadas e colchões que previnem úlceras

Renato Povoas - Managing Partner Educação e Ensino, Têxtil 2012-01-24

Fonte: Agência Lusa

Um investigador da Universidade do Minho (UM) coordena um projeto que visa a criação de colchões, almofadas e coberturas “inteligentes” para prevenir o aparecimento de úlceras em pessoas com limitações motoras graves.

A ideia é que aqueles colchões, almofadas e coberturas sejam capazes de monitorizar a pressão, temperatura e humidade exercidas em zonas do corpo que estão permanentemente em contacto com superfícies de suporte. “O controlo destes parâmetros poderá lançar, quando necessário, um alerta que permitirá ao utilizador movimentar-se, sozinho ou com a ajuda de terceiros, evitando o desenvolvimento de uma ferida na pele”, explica Miguel Carvalho, coordenador do projeto e professor do Departamento de Engenharia Têxtil da UM.

A gama de produtos é destinada essencialmente aos indivíduos com limitações motoras graves que condicionam a sua deslocação, nomeadamente os idosos e pacientes acamados, os doentes sob efeitos de sedativos ou anestesia durante cirurgias prolongadas e pós-operatório, ou, ainda, aqueles que se deslocam em cadeiras de rodas.

“Na maioria das situações, este público tem alguma dificuldade em sentir determinadas regiões do corpo que se encontram em contacto com superfícies ou, então, não consegue mudar de posição regularmente, de forma autónoma, como o faria uma pessoa saudável de forma inconsciente”, refere Miguel Carvalho. Acrescenta que estas são circunstâncias favoráveis ao desenvolvimento de úlceras de pressão (UP), ou seja, lesões cutâneas que se produzem em consequência de uma falta de irrigação sanguínea ou de uma irritação da pele.

“Os gastos médios dedicados ao tratamento desta patologia são de seis mil euros por cada úlcera. Na União Europeia e nos EUA, a prevenção e o tratamento têm um custo anual superior a 36 mil milhões de euros”, diz Miguel Carvalho. Sublinha que é “cada vez mais importante” apostar nesta área de investigação, uma vez que a população idosa tende a aumentar, “o que terá um impacto económico crescente a médio e longo prazo”.