fbpx

Desporto

Oppala, equilíbrio 100% nacional

Renato Povoas - Managing Partner Desporto, Saúde e Bem-Estar 2017-10-16

O produto é 100% nacional, assim como a OneLove EcoSport, empresa que concebeu e que dá vida à prancha Oppala que, ao contrário de outras pranchas disponíveis no mercado, é usada para muito mais do que surf ou snowboard. Apostada no desenvolvimento de equipamentos desportivos e fisioterapêuticos ecológicos e artesanais através de processos de manufatura sustentáveis, com baixo impacto ambiental, a empresa recorre a materiais naturais e reciclados, como a madeira de agave ou a cortiça que é, de resto, a ‘rainha’ da prancha de equilíbrio Oppala, uma placa oval, feita à mão, que combina, como referem os seus criadores, “métodos de produção artesanais com uma tecnologia avançada”.  

Read More

Magicoach – A inovação chegou aos relvados portugueses!

Renato Povoas - Managing Partner Desporto 2016-08-10

Magicoach, uma startup portuguesa, vai disponibilizar, brevemente e a custos reduzidos, para jogadores amadores a tecnologia ‘tracking GPS’, utilizada por grandes clubes de futebol para análise de desempenho.

Esta app permite recolher dos dados através de dispositivos GPS colocados numa braçadeira em cada jogador, que fornecem um vasto conjunto de indicadores físicos e táticos que permitem avaliar o desempenho individual e aumentar a interação social e competitiva entre os vários jogadores.

Saiba mais aqui: Magicoach 

Fonte: Notícias ao Minuto

Tune veio para mudar a forma como corremos!

Renato Povoas - Managing Partner Desporto 2015-08-04

Tune, uma nova tecnologia portuguesa criada no Porto, que ainda está em fase de testes mas que pode vir a revolucionar a forma como corremos ou como olhamos para a nossa forma de correr.

É um pequeno aparelho que se coloca nos ténis, está ligado à palmilha e conectado a uma app. Este pequeno gadget irá analisar em detalhe a técnica de corrida, a forma como colocamos o pé no chão, como nos impulsionamos, e analisando estes dados poderemos ter resultados mais eficientes, correndo mais rápido, e diminuir drasticamente a possibilidade de nos lesionarmos.Tune

Paulo Ferreira dos Santos, CEO da Kinematix a empresa que criou o Tune,  é um nadador com uma ligação à corrida recente e o que o fez mudar de hábitos foi o facto de andar constantemente em viagens, e de ter de se dedicar a uma modalidade que não implicasse ter de encontrar uma piscina. Só que aquilo que foi começando a perceber foi que os seus treinos não tinham grande apoio e conhecimento técnico-científico. E com a constante preocupação de se lesionar, percebeu que o mais normal é as pessoas não saberem correr, não perceberem a forma como correm, foi a partir disto que surgiu o Tune. “A Kinematix pretende desenvolver tecnologia que ajude a melhorar o movimento. Nem sempre estamos conscientes sobre a importância que o movimento tem na nossa vida”, explica Paulo Ferreira dos Santos.

O Tune mede o tempo de apoio do pé e calcanhar no chão, bem como que parte do pé toca em primeiro lugar no solo. O objetivo é assentar corretamente o pé ao correr, apoiando o calcanhar o menor tempo possível, colocando menos esforço no mesmo, o que torna a corrida mais eficiente, permitindo chegar mais rápido e em melhores condições à meta. 

Para já, o Tune obriga a que corra com o smartphone, porque é aí que está o GPS que irá registar o percurso. De futuro, a tecnologia poderá evoluir por forma a não ter de correr com o telefone.

Este é um projeto ainda em fase de protótipo, mas prevê-se a sua comercialização já para Dezembro deste ano. Para já, o produto está a ser testado, com o acompanhamento de Paulo Colaço e dos corredores profissionais que testam o produto: José Moreira, Licínio Pimentel, Rui Pinto e Vanessa Fernandes.

Ainda que o produto não esteja no mercado, pode fazer uma pré-compra, apoiando o crowdfunding criado pela Kinematix. Conforme o apoio financeiro dado, ganha desconto em pacotes especiais de Tune, sendo que no pacote mais básico fica com um Tune por 220 dólares (aproximadamente 200€). Finalizado o crowdfunding (a 13 de Agosto), os preços praticados passam a variar conforme o país para onde é vendido.

Primeira bola de futebol em cortiça é portuguesa!

Renato Povoas - Managing Partner Desporto 2015-07-16

BolaDepois de, em 2010, ter criado a primeira bola de futebol em cortiça aglomerada, a Sedacor – Grupo JPS Cork  apresenta a sua mais recente inovação: uma bola feita de cortiça natural, que a empresa garante ser “fantástica”, quer para os que sabem, quer para os que não sabem, jogar futebol.
A bola foi desenvolvida com recurso “a uma nova tecnologia de agregação de lâminas de cortiça natural”, um material que se distingue pelo seu “toque único e suave” e pela “resistência e flexibilidade”, explica o Grupo JPS Cork no seu site oficial.
Estas duas características são, no entender da empresa, determinantes para “produtos de grande exigência física”, tornando a cortiça o material ideal para uma bola de futebol, “submetida a esforços como a abrasão”, os impactos violentos “e as condições atmosféricas adversas”.
A bola de cortiça natural do Grupo JPS Cork foi apresentada ao mundo no país do futebol, o Brasil, durante a Feira Tecnotêxtil, evento que decorreu na cidade de São Paulo.

M.A.R. Kayaks – líder mundial na produção de caiaques

Renato Povoas - Managing Partner Desporto 2012-01-04

 

A M.A.R. Kayaks fundada em 1978, fabricante dos barcos Nelo é uma empresa Portuguesa de produção semi-artesanal de produtos compósitos de alta qualidade para utilização na área desportiva, sobretudo na canoagem de alta competição.

O ano de 2004 constitui um marco com a escolha pelo Comité Olímpico para ser fornecedor oficial dos Jogos de Atenas. Seguiram-se os Jogos de Pequim, e este ano, pela terceira vez consecutiva, a marca Nelo volta a ser a fornecedora oficial dos Jogos Olímpicos.

Líder no mercado mundial de caiaques, a posição da M.A.R. Kayaks não deixa dúvidas: cerca de 50 por cento dos grandes atletas e dos praticantes em geral utilizam barcos da marca Nelo. O restante é distribuído pela Plastex, um grande construtor polaco com 35 por cento, e o restante por marcas dos EUA, Dinamarca, Alemanha e Canadá.